terça-feira, 25 de setembro de 2018

- Crônica -

ADEUS AO GRANDE ARTESÃO 
OSVALDO BENEDITO BARROS 
por Raquel Mendonça*

Osvaldo Santeiro

O extraordinário artesão Osvaldo Benedito Barros, popularmente conhecido como Osvaldo Santeiro, nascido na vizinha cidade de Pirapora, em 15.11.1955 e falecido nesta cidade de Montes Claros, onde morava há cerca de trinta e seis anos, no último dia 07 de setembro de 2018, depois de sofrer parada cárdio-respiratória no Hospital Aroldo Tourinho/HAT, onde se encontrava internado, deixou um legado imenso na arte de esculpir em madeira, principalmente santos, pelos quais ficou conhecido (Osvaldo Santeiro), de modo especial pelo seu famoso e mais que perfeito "São Francisco com Pássaros".

Ele foi casado com Santa Pereira de Andrade, que reside em Pirapora, com quem teve os filhos Simone Pereira Barros, também grande artesã, que o auxiliava muito em seu trabalho; Sislane, Sislene, Alexandro, Alessandro, Leandro e Warlen. Com a segunda e última esposa, Vanessa Oliveira Farias de Souza, em quatorze anos de casamento, quando aprendeu o ofício de artesã com o companheiro, teve os filhos Françoare, Victor Júnior, Cleison, Shyrlen e Christian.

Osvaldo utilizava quase sempre em seu trabalho artístico ou utilitário, as madeiras "Imburana de Cambão", "Cedro do Pará" ou "Cedro Rosa", e os instrumentos que mais utilizava, além do canivete, enxó, para desbastar a madeira, eram o formão e a lixa, para dar acabamento final às peças muito bem detalhadas, definidas e finalizadas, como Santo Antônio, São Geraldo, São Bartolomeu, São Norberto (para a Igreja de mesmo nome), Nossa Senhora, Via Sacra (na Rua Lírio Brant) e muitos e muitos outros, de acordo com as encomendas que recebia e suas inspirações pessoais!...

Gostava também de esculpir animais, como os seus belos leões!!

Entre os seus trabalhos para o município de Montes Claros (Prefeitura de Montes Claros), destaque para a Placa do Parque Municipal Milton Prates e para as belas molduras, com o Brasão de Armas do Município na parte superior e placas de identificação, para a Galeria dos Administradores do Município de Montes Claros (Agentes Executivos do Município e Prefeitos Municipais), localizada no terceiro pavimento do prédio da Prefeitura de Montes Claros, em trabalho - projeto e execução - de Raquel Mendonça (então Assessora Especial de Cultura), na gestão de Mário Ribeiro da Silveira, junto aos também historiadores Virgílio Abreu de Paula, Arthur Jardim de Castro Gomes e Simeão Ribeiro Pires (os quatro fundadores e primeiros presidentes do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural de Montes Claros - COMPHAC); do grande fotógrafo Fábio Marçal (ampliação das fotografias), da Assessoria de Comunicação da Prefeitura - ASCOM.

Osvaldo entalhava ainda elementos artísticos ou decorativos em cabeceiras de camas e fazia móveis em geral. Outro talento seu eram as - raras e belas - pinturas, feitas a óleo.

A arte e a cultura de Montes Claros perdem um de seus grandes talentos e valores! 

Palmas para Osvaldo Santeiro!!!!...

Descanse em paz meu amigo!

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

- Reflexão -

"A esperança é algo que traz sol às sombras das nossas vidas. É nosso vínculo com um amanhã melhor "
            - Yitta Halberstam -

sábado, 15 de setembro de 2018

ESCAMBO DE LIVROS

9º ESCAMBO DE LIVROS DO ATELIÊ/GALERIA 
FELICIDADE PATROCÍNIO

VENHA TRAZENDO LIVROS JÁ LIDOS 
E TROQUE POR OUTROS QUE AINDA NÃO LEU. 

Para que você leve mais livros, faremos também o 
SEBO SIMBÓLICO: (livros a R$1,00, 2,00 e 3,00 reais).  

Diálogo sobre Literatura.

No final haverá um lanche de confraternização.

Ambiente tranqüilo (com segurança na porta).

Somente R$5,00 a entrada. 

Dia 22 de SETEMBRO - SÁBADO, às 17 HORAS no 
ATELIÊ/GALERIA FELICIDADE PATROCÍNIO.

Participe!!!

Ateliê/Galeria Felicidade Patrocínio: 
Rua São José 293 A, Bairro Santo Expedito
(atrás da Igreja Santo Expedito)
Montes Claros, MG.
Fone:38 991287503
E-mail: felicidadepatrocinio@gmail.com

- Crônica -

Horizontes da fé
por Wagner Gomes

Na obra de Alberto Sena, “Nos Pirineus da Alma”, identificamos três, e não dois, personagens que vão para Santiago de Compostela por meio de trilhas que passam pela grande cordilheira montanhosa, cujo nome aparece no título do livro. Essa cordilheira, Pirineus, une o oceano Atlântico ao Mar Mediterrâneo, formando uma fronteira natural entre a França e a Espanha, países que instigam a narrativa mística. Os três personagens que dão vida ao livro estão concentrados no casal Albertinho e Sílvia, ali identificados como Bento e Tudinha, e um cajado que, ao acompanhar o seu dono, adquire personalidade própria. Assim como Paulo Coelho teve em O Diário de Um Mago sua primeira incursão literária, relatando as descobertas feitas no Caminho de Santiago, o livro "Nos Pirineus da Alma" pode mudar a vida de nossos dois peregrinos. Ao percorrer aquele caminho, não uma, mas duas vezes, eles demonstram extrema resiliência para superar os obstáculos. E, naquele percurso, a narrativa se enriqueceu com metáforas e situações oníricas. Ao atingirem o seu propósito, também, abrilhantaram todo o roteiro, com elementos históricos que se integram ao todo, com naturalidade. A própria fotografia acoplada ao livro deu vida ao ambiente transformando, em algo real, aquilo que antes fora imaginado na mente do leitor. Também encontrou espaço para acolher e abrigar personagens em busca do autoconhecimento, que foram surgindo naquele caminho, como se estivesse, através deles, edificando uma mensagem de fraternidade. Entrelaçando as duas viagens objeto da narrativa, Bento traça significativo elo com o seu cajado, que passa a desempenhar diversos papéis que, embora imaginários, compõem um ambiente real. Ora ele assume o papel de apoio, ora de defesa, ora de confidente, ora apenas o papel espiritual. Os personagens testaram, ao longo dos 1.300 quilômetros percorridos nas duas viagens, os seus limites físicos. Tal desgaste foi atenuado pelas paisagens fascinantes e pelas tradições da montanha e agravado pelos perigos encontrados. De quebra foi recheado pela riqueza da culinária e pela diversidade dos personagens que cruzaram suas vidas. Assim, ao final da jornada, estava consolidado um atalho para a reflexão sobre os valores que, realmente, mereciam estar presentes em suas vidas. Essa conjunção de elementos contribuiu para o nascimento do primeiro rebento literário de Alberto Sena. Ao final da leitura, não resisto em desejar que, ao seguir o caminho de Paulo Coelho, o autor transforme seu primeiro livro no início de uma carreira promissora de escritor.


quinta-feira, 13 de setembro de 2018

- Reflexão -

"A oração é poderosa, a oração vence o mal, a oração traz a paz."
- Papa Francisco -

- ORAÇÃO -

SÃO MIGUEL ARCANJO


São Miguel Arcanjo, 
defendei-nos no combate, 
sede nosso refúgio contra a maldade e as ciladas do demônio. 
Ordene-lhe Deus, instantemente o pedimos, 
e vós príncipe da milícia celeste, 
pelo Divino Poder, precipitai ao inferno a satanás 
e a todos os espíritos malignos, 
que andam pelo mundo para perder as almas. 
Assim seja!

A protected path for us.♥

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

CONVITE


CELEBRAÇÃO RELIGIOSA, EM MOMENTO DE HOMENAGEM E RESPEITO 




Nós, familiares de EGÍDIO DE MEDEIROS MARQUES, profundamente consternadas pela sua precoce partida e agradecidas  pelas manifestações e demonstrações de pesar, carinho e solidariedade recebidas, convidamos, sensibilizadas, para a "Missa de Sétimo Dia", a ser celebrada no dia 12 de setembro de 2018 (quarta-feira), na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição e São José, na Praça da Matriz - Centro Histórico de Montes Claros - MG, às 19h00.

A família de Brasília de Minas fará a missa em homenagem a Egídio, no dia 13 de agosto, quinta-feira, na Igreja Matriz de Sant'Ana, Praça Francisco de Paula - Brasília de Minas - MG, pela manhã, às 07h00.

Por mais este ato de fé cristã e amizade, antecipamos sinceros agradecimentos.

sábado, 8 de setembro de 2018


Que tenhamos outras vidas para sermos pai e filha...
Até um dia, meu pai.

- Crônica -

Adeus a Egídio 
por Raquel Mendonça*


Na madrugada da última quinta-feira, 06 de agosto, Egídio Medeiros Marques, meu ex-marido e pai da minha filha, Ana Bárbara, dava adeus precocemente à vida terrestre, aos 63 anos, no CTI da Santa Casa de Montes Claros, onde se encontrava na fila de transplante de fígado, sob o atento olhar de seu grande primo-irmão, o competente médico Antônio Egídio (Dida), a quem agradecemos, imensamente, todo o cuidado a ele dispensado, até o fim. Obrigada, meu querido, e que Deus lhe pague por tudo!...

O seu falecimento nos entristeceu a todos, de modo especial aos seus filhos Ítalo, Ana Bárbara, Bruno, Emiliano e Adriano. Após receber a dolorosa notícia, seguimos para Brasília de Minas com um dos seus irmãos e a esposa, que nos ofereceram gentilmente a condução e companhia. Chegando lá, nos encontramos com muitos amigos e familiares de Egídio para a sua  emocionada despedida.

Egídio, que, após a separação e por longo tempo, passou a ser uma espécie de filho mais velho, há anos atrás, atravessou um momento delicado de saúde, e como a minha filha, desde a adolescência, tendo em vista a inabilidade total da mãe para tudo que envolva casa, comida e cia, viu-se obrigada a assumir o controle de tudo, preparava o alimento para o pai, que um vizinho a ele levava diariamente. Se venceu uma doença grave, pensava, por que não irá vencer mais esta batalha, embora bastante grave e delicada também?! Foi mais forte, porém.

Retornar a Brasília de Minas por si só já envolvia muitas lembranças, saudade e emoção, pois convivemos por bom tempo com a extremamente generosa, querida e saudosa Dona Eutália Gomes de Souza, da Farmácia Nossa Senhora das Mercês, onde, pudesse pagar ou não, o paciente saia com o medicamento em mão... A mãe de Egídio, Adelaide, já havia falecido. Era artista plástica, como também foi a filha Maione Marques, esposa de Jaime Fortes, tendo sido professora de Artes do Conservatório Estadual de Música Lorenzo Fernandez. A minha filha, Ana Bárbara, herdou o talento da avó e tia paternas para as artes plásticas e artesanato. Do pai herdou o talento para a arte culinária, o bom gosto estético e artístico, o que ele pôde demonstrar quando grande, brilhante e competente Diretor do Centro Cultural Hermes de Paula, na gestão de Mário Ribeiro da Silveira, o inesquecível Marão.

Rever Ítalo, primeiro filho de Egídio, com a sua querida mãe Vânia e Dona Nicinha, foi um dos momentos mais especiais que nos aconteceram ali, assim como conhecer as suas lindas, inteligentes, carinhosas e jovens filhas Ariana e Ingrid. Ainda que bastante abalada, consegui registrar, antes da despedida final, todas as qualidades de Egídio, a sua excepcional inteligência, profundidade cultural, o que pôde fazer pela arte e cultura da cidade e região. Destaquei o seu lado criativo, o seu brilho pessoal indiscutível. Qualquer outra coisa, fato ou acontecimento foram devida e respeitosamente esquecidos. Ausente ou não, foi pai e teve tempo de pedir perdão e receber o carinho, a atenção e o cuidado da nossa filha Ana Bárbara, nos horários de visita na Santa Casa... Graças a Deus!

Dos seus cinco filhos, apenas Bruno não pôde se fazer presente. Emiliano e Adriano, os filhos mais novos, lá estavam com a mãe Ana Lúcia. A querida, gentil, amável e atual companheira Jura lhe ensinara até mesmo o caminho da Igreja de Nossa Senhora Aparecida, na missa dominical, com quem já organizava e decorava um novo espaço de comida, o Le Chef, a que esperamos ela possa dar prosseguimento, com o apoio de todos.

Agradecemos o carinho, a afeição e atenção de muita gente querida ali presente, enquanto, no ar, pairava a figura inesquecível, indelével, inapagável - um Anjo Puro do Senhor lá nos céus olhando e zelando por todos nós - daquela que foi uma verdadeira santa de bondade em Brasília de Minas, Dona Eutália de Seu Egídio, pais de Tiá, Adelaide, Tia Eny (as filhas Thelma, com o esposo César Versiani, e Aléxia com o pai Eury) e daquele que se foi aos 27 anos, Zezé.

Ana Bárbara fez questão de revisitar a casa na Praça que foi de sua "Vovó Eutaia", que a chamava de "minha querida netinha Barbinha" - onde se emocionou bastante. Já eu não tive tanta coragem - lembrando os bons tempos de visita a ela e família ali: "ô minha filha, traz a minha Barbinha aqui, estou com saudades dela..." Temos nós, Dona Eutália, saudades eternas da senhora, de seu coração e mão sempre abertos aos necessitados, exemplo maior de ser humano que pude conhecer na vida!...

Sei que Egídio se foi cedo ainda, mas tenho certeza de que seus entes queridos no céu, especialmente Dona Eutália e seus pais Adelaide e Guillardo, já se encontravam a postos, na porta, a recebê-lo, acolhê-lo e abraçá-lo e, de lá, abertos à luz, sejam motivo de força, fé, consolo e conforto para todos que aqui ficamos, rogando pela saúde, paz e harmonia de familiares e amigos que nos transmitiram sinceros sentimentos, expressos em palavras e ações, de amor, amizade, solidariedade e daqueles que souberam vencer realmente mágoas, diferenças, conflitos, aparar arestas, para que ele, Egídio, possa se refazer e reconstruir a vida lá no alto!...

Por fim, agradecer de modo especial Mary Léllis, sobrinha e afilhada de Dona Eutália - avó de Egídio - querida colega de Academia Montes-clarense de Letras e aquela que nos levou a notícia em nosso setor, de que Egídio estava internado no CTI da Santa Casa de Montes Claros. Obrigada, Mary!...

E para sempre viva Egídio!

Vá em paz, meu querido!...


| TRANSLATE THIS PAGE |